Governo Provincial de Luanda
Governo

Governo de Luanda realiza 20ª Sessão do Conselho Provincial da Família

A vice-governadora provincial de Luanda, Ana Paula Correia Victor, em representação do governador Adriano Mendes de Carvalho, orientou nesta terça-feira 8, no anfiteatro do IGCA, a 20ª sessão do Conselho Provincial da Família.

O encontro abordou temas ligados ao aconselhamento de casais; resgate de valores morais, cívicos e patrióticos; relação entre a escola, a família e a sociedade; educação na perspectiva do género e da cultura da paz.

Animaram os debates, como prelectores das referidas matérias, o pastor da Igreja Metodista, Adilson de Almeida, o historiador Cornélio Calei, o pedagogo Agostinho Silva e a jurista Marinela Gambôa.

Participaram no Conselho administradores municipais e seus adjuntos, administradores distritais e comunais, directores provinciais e municipais, autoridades eclesiásticas e tradicionais, representantes de ONG e técnicos da área Social.

No discurso de abertura a vice-governadora, debruçou-se sobre a Constituição da República tendo referido que a família angolana é tradicionalmente extensa.

Sendo que actualmente presencia-se uma transformação do paradigma familiar, onde o número de famílias nucleares tem aumentado, fruto de situações de fatalidade ou infortúnio.

O governo tem conhecimento das dificuldades enfrentadas pelas famílias luandenses, tais como a falta de acesso ao sistema de ensino e aprendizagem, o desemprego derivado da actual conjuntura socioeconómica do país, a degradação dos valores morais, cívicos, culturais e espirituais, entre outros.

O conselho de igual modo recomendou, que as Administrações Municipais facilitem a cedência de espaços para as igrejas se instalarem nos bairros e centros urbanos, para estarem mais próximas dos cidadão e das famílias para a manutenção da família.

Elaboração de programas de alcance domiciliar para a família à nível municipal, distrital e dos bairros, para melhor perceber o problema e criar sinergias locais a nível das administrações e comissão de bairro, para
acompanhar as famílias com maiores problemas através da criação de jangos da família nos bairros para actividades lúdicas mais viradas a formação da
consciência.

Prestar maior atenção ao actual fenómeno do desemprego causado pela crise, e o cuidado para o aumento da renda salarial da educação, policia, saúde e servidores públicos para acabar com a corrupção a este nível e evitar o aumento da criminalidade.

O Governo deve criar a Comissão Nacional Multissectorial Para o Reassentamento Populacional para evitar a migração interna à procura de melhores condições de vida. Bem como, reforçar as políticas de reintegração social dos reclusos como força de trabalho e produção.

O encontro concluiu que a perca de alguns valores, entre nós, está a perigar a sociedade, por isso, a necessidade de preservar o nosso passado histórico, para ajudar a vencer as dificuldades para o resgate de valores morais, cívicos, culturais e éticos.

Para termos uma sociedade educada, é preciso em primeiro lugar, educar os pais. Para que esse entendimento já venha registado desde casa, porque não é possível educar os filhos se os pais não forem educados.